Câncer de pênis: a falta de higiene masculina é um dos fatores de risco para o surgimento do problema de saúde
Logo Instituto Lado a Lado

Campanhas criadas pelo Instituto Lado a Lado pela Vida:

Logo Ser Homem
Logo Novembro Azul CAMPANHA DO INSTITUTO
LADO A LADO PELA VIDA

Parceiro Institucional
  • Parceiro Institucional
  • Parceiro Institucional
  • Parceiro Institucional
imprensa contato

Câncer de pênis: a falta de higiene masculina é um dos fatores de risco para o surgimento do problema de saúde

A doença pode acometer homens de qualquer idade

Destaque - O fator de risco principal para o surgimento do câncer de pênis é a falta de higiene

Por Rebeca Alcoba - Publicado em 10 de julho de 2015

Diferente dos outros tipos de câncer, o fator de risco principal para o surgimento do câncer de pênis é a falta de higiene. Some isso à prepúcios não operados e você terá um quadro favorável ao desenvolvimento da doença.De acordo com o urologista Stênio de Cássio Zequi, a higiene íntima bem feita é primordial para evitar o problema. "Na Escandinávia, por exemplo, a população não faz a postectomia (cirurgia da fimose), e apenas com bons hábitos de higiene, praticamente eliminou a ocorrência do câncer de pênis", afirma. Esses bons hábitos se resumem a uma limpeza diária com água e sabão, inclusive sob a pele que envolve o pênis, para evitar o acúmulo de secreção no local.

Ele também explica que muitos relacionam erroneamente o câncer de pênis ao papiloma vírus humano (HPV). "Na verdade a associação do câncer de pênis ao HPV vai depender do tipo histológico (análise dos tecidos)". Agora, nos casos de câncer não invasivo, chamado de carcinoma in situ, Stênio afirma que em mais de 80% dos casos o paciente tem HPV. Como a doença está diretamente relacionada à falta de higiene, diferentemente do câncer de próstata, ela pode acometer homens de qualquer idade.

Quanto às opções de tratamento, o médico revela que o tempo das cirurgias muito invasivas já passou. "Hoje em dia a literatura mostra que é possível fazer tratamentos preservadores de glande, cabe aos especialistas explorarem isso". E além da cirurgia, pode-se recorrer à radioterapia ou a branquiterapia.

Stênio ainda alerta que, pela semelhança dos sintomas, a doença pode ser confundida com a donovanose. Uma DST causada por uma bactéria que afeta a pele e mucosas da região genitália, causando úlceras e destruindo a pele. Contudo, a donovanose pode ser tratada com antibióticos, sem a necessidade de cirurgia.

Mais informações:
www.cancerdepenis.com.br

 

• • •

A doença pode acometer homens de qualquer idade