Urologista esclarece dúvidas sobre Hiperplasia Benigna da Próstata. Saiba mais sobre esse tumor benigno
Logo Instituto Lado a Lado

Campanhas criadas pelo Instituto Lado a Lado pela Vida:

Logo Ser Homem
Logo Novembro Azul CAMPANHA DO INSTITUTO
LADO A LADO PELA VIDA

Parceiro Institucional
  • Parceiro Institucional
  • Parceiro Institucional
  • Parceiro Institucional
imprensa contato

Urologista esclarece dúvidas sobre Hiperplasia Benigna da Próstata. Saiba mais sobre esse tumor benigno

O aumento da glândula prostática é um tumor benigno mais comum entre os homens

Destaque - O aumento da glândula prostática é um tumor benigno mais comum entre os homens

Por Redação - Publicado em 10 de julho de 2015

Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP) - aumento da glândula prostática - é o tumor benigno mais comum entre os homens. Estudos mostram que a HPB detectável nos tecidos tem início durante a quarta década de vida, ou seja, por volta dos 40 anos, e pode acometer até 80% dos homens com 50 anos ou mais (equivalente a 14 milhões de brasileiros), segundo dados da Sociedade Brasileira de Urologia. Um dos tratamentos mais modernos disponíveis no Brasil, o Green Light Laser é um dos novos tratamentos para solução do problema, com menos tempo de internação, redução da dor e melhor recuperação pós-operatória, se comparado com os métodos tradicionais.
 
Dr. Oskar Kaufmann urologista que integra o corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einsten, esclarece abaixo as principais dúvidas sobre o uso dessa tecnologia. Especialista em cirurgia robótica em urologia, o Dr. Oskar é graduado em Medicina pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo e com doutorado pela Divisão de Clínica Urológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), membro da Sociedade Brasileira de Urologia e da American Urological Association, Endourological Society.
 
Quais exames são necessários para se diagnosticar a Hiperplasia Benigna da Próstata?

A avaliação masculina de rotina para HPB envolve uma história médica, urológica e familiar detalhada, que tem por objetivo determinar a presença de sintomas, sua classificação (leves, moderados ou severos) e a resposta ao tratamento. Além da história, devem ser realizados exames físico geral e urológico completo (incluindo toque retal), fluxometria livre (medida do fluxo urinário em ml/s) e exames laboratoriais (PSA, hemograma, dosagem de glicemia de jejum e exames de urina). Após a avaliação inicial, o urologista pode solicitar exames complementares como: Ultrassonografia e Urodinâmica – este é o único exame que permite o diagnóstico de obstrução infra-vesical. Costuma ser indicado em pacientes jovens, portadores de doenças neurológicas (que podem ser a causa dos sintomas), em caso de cirurgias prostáticas ou vesicais prévias e em alguns pacientes candidatos a tratamento cirúrgico.
 Atualmente, qual o tratamento mais moderno disponível no Brasil?
 
O Green Light Laser é o procedimento cirúrgico mais avançado para o tratamento de HBP no País. Ele tem mostrado resultados tão eficientes quanto os métodos tradicionais, com vantagens em relação ao tempo de internação, menos dor e melhor recuperação pós-operatória. A fibra de laser é introduzida pela uretra, através de um instrumento acoplado a uma câmera de vídeo que permite a visualização do procedimento. O laser então é direcionado para o tecido prostático, que vai sendo literalmente vaporizado pela ação do “raio verde”. Além disso, o Green Light apresenta um mínimo de sangramento porque, ao mesmo tempo em que vaporiza a próstata, ele realiza a cauterização dos vasos sanguíneos, evitando sangramento durante todo o procedimento.
 
Quanto tempo após a cirurgia com essa técnica o paciente pode voltar para casa?

A maioria dos pacientes retorna às suas atividades normais dentro de poucos dias. Atividades físicas mais pesadas podem ser realizadas dentro de duas semanas.


Quais são os cuidados necessários no pós-operatório?

Devem ser realizados cuidados operatórios habituais, como repouso e hidratação de rotina. Muitos pacientes nem precisam utilizar cateter (sonda na bexiga) no pós- operatório. A grande maioria tem o cateter retirado 24 horas após a cirurgia.

 

• • •

O aumento da glândula prostática é um tumor benigno mais comum entre os homens